Oradores

Em 2008 foi nomeada Ashoka Fellow, pelo seu trabalho de promoção e difusão da aprendizagem serviço em Espanha, nomeadamente junto dos governos autónomos e locais, que hoje a utilizam como instrumento de coesão social. Hoje continua esse trabalho, formando parte do Conselho de Direção da Rede Espanhola de Aprendizagem-Serviço, do Centro Promotor de Aprendizagem- Serviço da Catalunha, da Fundação Zerbikas do País Basco e da Rede Iberoamericana de Aprendizagem-Serviços. No seu percurso foi educadora, formadora e professora de educação especial, tendo trabalhado em escolas, universidades, na Administração Pública e movimentos associativos. Acredita que a finalidade da educação é formar cidadãos competentes e capazes de transformar o mundo. Senão, para que serve a educação?

Team-empreendedor e co-fundador da Mondragon Team Academy, uma rede internacional de team-empreendedores que aprendem juntos através da criação de empresas. A partir da constatação de que os centros educativos/ empresariais de hoje em dia nos privam da possibilidade de entender que paixão e educação/trabalho podem ir de mão dada, criou o programa LEINN, que se tornou na primeira licenciatura europeia em liderança, empreendedorismo e inovação. Durante os 3 anos de duração deste curso, os estudantes não têm aulas nem professores, aprendendo pelo trabalho em equipa de criação e desenvolvimento de cooperativas. Dedica-se a ajudar os jovens a descobrir a sua capacidade criadora inata, pois sabe que isso faz toda a diferença do (e no) mundo.

Como Co-Director da Ashoka Espanha e Director de Educação e Jovens na Ashoka Global, lidera uma estratégia internacional de mobilização um novo paradigma na educação que promova junto das crinaças e jovens competências como empatia, trabalho de equipa, liderança. Para além da sua trajetória no âmbito associativo juvenil, dedicou a sua vida profissional a trabalhar para a educação e empoderamento juvenil. Durante 6 anos liderou o programa da UNICEF de Educação para o Desenvolvimento e Participação e foi também o impulsionador dos primeiros Grupos Universitários da Amnistia Internacional em Espanha. É o fundador da cibercorresponsales.org, uma plataforma educativa de jornalismo cidadão para menores de idade, e autor do livro “¿Por qué educamos?” (2017). É apaixonado por crescer, “curiosear” e descobrir.

É hoje professor catedrático da Universidade Católica Portuguesa e Presidente da Fundação Manuel Leão. Desempenhou as funções de Diretor-Geral do Ministério da Educação (1988-92) e de Secretário de Estado da Educação (em 1992 e 1993). É membro do Conselho Nacional de Educação (cooptado) e dirige a Comissão de Atores e Recursos da Educação. Representou Portugal em vários organismos internacionais (OCDE, UNESCO) e é autor de inúmeros artigos sobre educação e formação e vários livros, sendo o último intitulado “Liberdade e Política Pública de Educação. Ensaio sobre um novo compromisso social pela educação” (2011). O seu lema? O que não semeamos, não podemos vir a colher. Quem planta batatas, não vai colher papoilas.

Hoje dirige o Instituto P. António Vieira (IPAV) e é o representante da Ashoka em Portugal. Noutros ventos, navegou por causas apaixonantes como a autodeterminação de Timor-Leste (Lusitânia-Expresso e Associação 12 de Novembro) ou a integração de pessoas sem-abrigo (CAIS). Mergulhou a fundo nos temas da imigração e diálogo intercultural, primeiro como Alto-comissário e depois como coordenador da PAR, e trouxe novos horizontes à comunidade educativa e aprendente em Portugal através da Fórum Estudante e de vários outros projetos nesta área. Dos vários esforços para a resolução de problemas complexos, tirou uma lição que eternizou na sua tese de doutoramento - nada se faz sem colaboração - e a partir daí criou o fórum GovInt e alavancou várias iniciativas de governação integrada em Portugal e na Guiné-Bissau. Em 2017, foi eleito Ashoka Fellow com a Academia de Líderes Ubuntu, um projeto que cria novos modelos de liderança servidora em contextos de vulnerabilidade social.

Designer de comunicação, está totalmente dedicado à implementação mundial do ColorADD - Sistema de identificação de cores para daltónicos, que criou em 2008. Este código pioneiro, universal e inclusivo permite a inclusão de cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo e levou Miguel a ser eleito Ashoka Fellow em 2012. Miguel criou ainda uma ONG para assegurar que o ColorADD possa ser utilizado na educação, livre de custos, permitindo assim a inclusão de crianças daltónicas, sem discriminação… Para que a côr seja para todos.

Foto José Luís Gonçalves

Atual Diretor da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti. Cresceu com a marca da itinerância e da interculturalidade: filho de emigrantes na Alemanha, nasceu para a educação nas periferias das cidades do Brasil a partir do método de Paulo Freire e nesta inspiração formou lideranças juvenis em Portugal. Cedo assumiu o desenvolvimento pessoal e social como eixo da sua ação. Nesta dupla perspetiva, foi life-coacher e interventor social. Ensina Pedagogia/Educação Social, Ética e Antropologia e investiga Filosofia da Educação e do Espaço Público. Se quer compreender, atua… porque não há fracasso, apenas aprendizagem!

Depois de 25 anos como líder empresarial, passou de Country Manager da Nike a full-time changemaker. Em 2013 fundou a Fundação Girl Move em Moçambique, que se dedica a dar às raparigas e mulheres a oportunidade de participar ativamente na sociedade. Entre outros projetos, desenvolve uma Academia Girl Move, que forma uma nova geração de líderes servidoras através de um inovador sistema de mentoria, enquanto protege centenas de raparigas do casamento forçado e gravidez precoce.

Professor de Empreendedorismo Social na Católica-Lisbon School of Business & Economics. No passado foi presidente do Portugal Inovação Social e ensinou no INSEAD, onde coordenou o Centro de Empreendedorismo do INSEAD e dirigiu o Programa de Empreendedorismo Social. O trabalho de investigação que desenvolve em teoria organizacional, empreendedorismo e inovação social recebeu vários prémios internacionais e foi publicado em jornais reconhecidos. É autor do livro “The Social Entrepreneur’s Guide to Change the World” e foi co-fundador do IES - Instituto de Empreendedorismo Social e do Laboratório de Investimento Social.

Diretora da Fundação Montepio, membro do Conselho de Administração do IPSE, membro do Conselho Geral do ISCTE, Presidente do júri da Marca Entidade Empregadora Inclusiva, membro do júri do Prémio Gulbenkian e formadora voluntária. Iniciou a sua carreira profissional como advogada, tendo passado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, onde foi jurista na área da Ação Social, Chefe de Divisão da Ação Social Local e Assessora da Provedora. Foi também Chefe da Divisão de estudos e planeamento do desenvolvimento do Instituto para o Desenvolvimento Social em Lisboa. Acredita que empreender exige uma visão integrada e prospetiva que só se consegue quando trabalhamos em equipa!

Mobilizador de uma comunidade que vive o SPEAK, um projeto que liga pessoas migrantes, refugiadas e locais através de um programa de intercâmbio de línguas e de culturas que combina sessões de línguas/culturas e eventos. Este modelo de intervenção social derruba barreiras, promove a diversidade, igualdade, compreensão intercultural e democratiza a aprendizagem de línguas. Depois dos resultados positivos em Portugal (mais de 10.000 beneficiários desde 2012 de 125 países diferentes), o projeto está agora também a ser testado em Madrid, Berlim e Turim. O momento não podia ser mais relevante dado o desafio actual de encontrar soluções que contribuam para a melhoria de processos de integração e para a criação de sociedades que integram, valorizam e potenciam a diversidade cultural.

Co-fundador da Associação Fazer Avançar, co-fundador do SPEAK, mentor de projetos sociais, mentor no IES - Social Business School. O Hugo é um global shaper pelo Fórum Económico Mundial, foi reconhecido pelo INSEAD como um dos 3 melhores jovens empreendedores sociais com mais potencial em Portugal e pela UNAOC como um dos top 20 na região EURO-MED.

Antes de se dedicar à inovação social e impacto a 100% o Hugo fez o mestrado em engenharia informática na Universidade Nova de Lisboa onde também foi professor assistente. Foi premiado com bolsas de estudo para investigação e ensino. Trabalhou na OutSystems e na Google onde dividiu o seu tempo entre Dublin e a Califórnia para trabalhar como especialista de comunidades online em 17 línguas diferentes. Recebeu um globo de ouro pela sua produtividade e eficiência e foi promovido a product manager.

Presidente da Câmara Municipal de Abrantes desde 2009, que está a desenvolver, em parceria com a Ashoka e o IPAV, um piloto de Ecossistema de Aprendizagem Transformadora, representando Portugal no movimento internacional de mudança do paradigma educativo “Global Change Leaders”. Entre 2006 e 2009 foi Vereadora da Câmara Municipal de Abrantes. Neste período dirigiu também o Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Abrantes, a Direção do A.Logos, a Direção da Tagusvalley e o Conselho de Administração da Agência Regional de Energia e Ambiente da Região do Médio Tejo e Pinhal Interior Sul.

Trabalhou em favelas no Rio de Janeiro, fez turismo comunitário no Quénia, Tanzânia e Moçambique, colaborou em projetos com jovens em risco de exclusão social em Espanha e Portugal e viveu numa casa de acolhimento de refugiados em Itália. Em 2014 criou a plataforma de voluntariado internacional online "Para Onde?", onde explora como a empatia e cooperação não transformam apenas as relações interpessoais, como também contribuem para solucionar desafios globais como o preconceito, o conflito e a desigualdade.

O António cresceu a ser voluntário. Desde que se lembra que participa em movimentos de jovens como o Camtil ou a Missão País, projetos onde chegou a assumir posições de liderança. Formou-se em Gestão e Engenharia Industrial mas assim que ia assentar os pés no mundo empresarial, a vida trocou-lhe as voltas. Tudo partiu de um grupo de amigos solidários que foram tocar guitarra na rua para pagar um jantar a pessoas sem-abrigo. Correu bem e sentiram que tinha o potencial para ir mais longe. Na vez seguinte foram falar com uma Associação que lhes apresentou uma família que precisava de obras urgentes em casa para melhorar as suas condições de higiene e segurança, e recuperar a sua dignidade. Esta intervenção foi um sucesso tão grande que teve dois resultados: um sorriso enorme por parte da família e a criação da Just A Change, organização que o António lidera até hoje e que conta já com mais de 3000 voluntários.

Biólogo de formação e professor de vocação, é há 12 anos o diretor da Escola Sadako em Barcelona, eleita pela Ashoka como  Escola Transformadora. Tem-se dedicado a criar estratégias educativas que promovam a formação holística d@s alun@s e aumentem o seu protagonismo e envolvimento no processo de aprendizagem.

Acredita que se muda o Mundo mudando o coração dos homens, e tem procurado ter um impacto em muitos corações jovens. É hoje diretora do Colégio de S. José, em Coimbra, eleita como Escola Transformadora pela Ashoka em 2017, onde desenvolveu um modelo pedagógico inovador denominado VOAR. Doutorada em educação, foi também professora na Escola Superior de Educação de Setúbal e fundou o Colégio de Santa Maria em Lisboa, nele criando igualmente um sistema educativo inovador.

Diretor do Agrupamento de Escolas de Freixo, nomeado Escola Transformadora pela Ashoka em 2017 e distinguida pela Microsoft como Showcase School. Apaixonado pela educação e pela tecnologia, liderou vários projetos que integraram inovação e tecnologia para alunos e professores. Acredita que as mudanças se fazem por dentro das instituições, com o contributo de todos, com uma visão e missão bem definidas para que, no caso das escolas, a comunidade  educativa possa melhorar o mundo.

Apaixonado pelos novos paradigmas de gestão baseados na Teoria da Complexidade e Caos e no impacto que a forma como nos organizamos para trabalhar tem no indivíduo e na sociedade. Reside actualmente no Porto e colabora com uma Fundação Americana, para a qual desenvolve modelos de apoio à decisão baseados em agentes. Acredita que a Rede que nos une e nos liga ao Mundo é a manifestação do sistema que escolhemos manter; mudar o Mundo é mudar essa Rede

É coordenador da ATES - Área Transversal de Economia Social da Católica Porto, onde também é professor associado na área de Economia, com responsabilidades de direcção do Mestrado em Economia Social e das pós-graduações em Gestão de Organizações de Economia Social e Gestão de Projectos de Cooperação para o Desenvolvimento. Conta já quase 40 anos de experiência profissional e de voluntariado na criação, desenvolvimento e direcção de organizações de economia social nas áreas do desenvolvimento rural, local e social. Acredita que é pela partilha solidária, para a qual todos, sem excepção, podem contribuir, que se pode construir um mundo melhor e procura agir em conformidade com isso.

Professora de dança na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria, onde tem investigado sobre danças tradicionais e populares, considerando-as portais de empatia no contexto de inclusão social. Lidera o projeto “ALL DANCE”, em que promove a atividade física e a dança como veículo de partilha de culturas e valorização da diferença, pois “Na roda da dança, como na da vida, todos podem encontrar o seu lugar “. Acredita que a dança tem o poder de fazer rodar um novo mundo.

Carla Laranjeira

Especialista em empreendedorismo nas escolas, com uma tese de mestrado sobre o impacto do ensino empreendedor nas escolas portuguesas. É Coordenadora do Curso de Comunicação e Professora de Português na Escola Profissional Magestil, que foi eleita Escola Transformadora pela Ashoka pelo seu modelo de aprendizagem pelo serviço. Falar sobre o trabalho que lá desenvolve para ajudar os seus alunos a transformar o mundo e a ter um impacto positivo na sociedade é das maiores paixões da sua vida.

Pertence à primeira geração da licenciatura LEINN (Liderança empreendedorismo e inovação) da universidade de Mondragon, onde fundou com 7 colegas a empresa TAZEBAEZ, que decidiu continuar após a sua graduação em 2013. Hoje, este projeto é um grupo de inovação formado por 30 pessoas de 4 países diferentes que juntos trabalham para mudar o mundo. Curiosa, com os olhos, as orelhas e a mente aberta, acredita que é sempre possível aprender, e que quantas mais pessoas conhecemos mais possibilidades existem.

Fomenta há vinte anos a participação cidadã cooperativa para a justiça social através do seu trabalho no Colégio Verdemar, primeiro como docente e orientador e depois como diretor pedagógico. Lá desenvolveu um trabalho educativo centrado na integração de cooperativas escolares, propondo assim uma forma de mudar o mundo a fazê-lo juntos, em assembleia.

Doutorada em Serviço Social pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente é coordenadora pedagógica na licenciatura em Serviço Social e professora auxiliar convidada da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Investigadora no Católica Research Centre for Psychological, Family and Social Wellbeing, as suas áreas de publicação e investigação situam-se nas áreas da inovação social e intervenção social, na intervenção com famílias e jovens, nas teorias para a prática em Serviço Social e na mediação social e intercultural. Colabora com o Centro de Apoio Integrado da Associação Mutualista Mussoc, onde desenvolve trabalho de aconselhamento e orientação parental, aconselhamento social e acompanhamento a crianças e jovens. No âmbito das suas áreas de especialização realiza supervisão profissional a equipas multidisciplinares e de intervenção social.

Directora e professora da Escola de Dança Clara Leão (EDCL), onde dá especial atenção ao seu da dança no entendimento do Eu, na ligação à comunidade, na aproximação ao outro, e como veículo em projectos de integração, nomeadamente com população prisional, com crianças de etnia cigana e com crianças portadoras de deficiência. Lecionou dança em escolas profissionais de Pombal e Ourém, e desde 2009 é docente na ESCS/IPL nas áreas da dança e da gestão e intervenção cultural. Uma frase que define o seu olhar e trabalho: O Mundo somos nós. Mudemo-nos então.

Professora da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Coordenadora do Centro de Recursos para a Inclusão Digital (CRID), da ESECS/ IPLeiria. Curiosa por natureza e incapaz de estar muito tempo sem se envolver em novos projetos, dedica-se a promover o respeito pela diferença.

Professor de Geografia no Departamento de Geografia da Universidade do Minho e no Departamento de Formação de Professores da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti. Possui um Doutoramento em Geografia e Planeamento Regional pela Universidade do Minho/Universidade Complutense de Madrid. Possui ainda um pós-Doutoramento em Tecnologias Educativas pela Universidade do Minho. É membro integrado do Lab2PT na Universidade do Minho, centrando a sua investigação em Geografia dos Transportes, Sistemas de Informação Geográfica, Turismo, Desenvolvimento Local e Regional, Geografia do Crime e Educação Geográfica, possuindo várias publicações em revistas e livros nestas temáticas. É membro da equipa do projeto europeu Creatour - Creative Tourism Destination Development in Small Cities and Rural Areas.

Apaixonada por viagens e por entender como funciona o mundo, estudou os seus diferentes pontos de vista nos seus estudos de Ciências da Comunicação e Gestão. Depois de trabalhar em Marketing em duas multinacionais em Lisboa, rumou a Barcelona para trabalhar numa agência de comunicação digital, onde se especializou em estratégia digital e gestão de projectos, bem como em campanhas de crowdfunding e comunicação de ONGs. Participante de programas de voluntariado locais e internacionais, faz agora parte da equipa do “Para Onde?” cheia de energia e motivação!